Mensagem do Executivo da JFPN

Aos moradores do Parque das Nações
Caro concidadão
Cara concidadã

Surgiram há algumas semanas notícias sobre odores sentidos pelos residentes na zona sul do Parque das Nações, em virtude das escavações levadas a cabo nas obras de ampliação do Hospital da CUF Descobertas. Devido à profundidade da intervenção, a obra terá deparado com lamas contaminadas da antiga refinaria da GALP que, antes da Expo’98, se encontrava no local.

De imediato, o Executivo da Junta de Freguesia do Parque das Nações oficiou as entidades competentes para que estas averiguassem da perigosidade desses odores, em termos de saúde pública, e questionassem o encaminhamento dos solos contaminados feito pela empreitada. 

As respostas entretanto recebidas e o facto de a obra prosseguir sem que nenhuma dessas entidades oficiais com competência na matéria a tenha suspendido, induz o pressuposto de que, apesar da incomodidade dos cheiros, ninguém estará a ser afetado em termos de saúde pessoal. 

Apesar disso, a Junta de Freguesia está atenta ao evoluir do problema, mantendo a sua atitude de vigilância e acompanhamento. Para tranquilizar as pessoas, a JFPN continua a exigir que as entidades com competência na matéria tornem pública, com a máxima urgência, a informação - que já deveriam ter disponibilizado - de que a saúde pública não está a ser afetada, se for o caso. Continuamos a exigir toda a informação possível junto do promotor da obra – a José de Mello Saúde – e das autoridades com competência de tutela e supervisão:
Câmara Municipal de Lisboa, 
APA- Agência Portuguesa para o Ambiente, 
CCDR de Lisboa e Vale do Tejo 
Inspeção Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território/IGAMAOT.

Acresce que a obra foi inspecionada já esta semana, pela CCDR de Lisboa e Vale do Tejo, a qual, ao contrário do que foi propalado, não mandou suspender os trabalhos. Da parte do Ministério do Ambiente foi feito o esclarecimento de que, quer da parte da APA quer da IGAMAOT, não foram detetados sequer indícios de encaminhamento indevido dos solos.

Finalmente, o Executivo da Junta de Freguesia do Parque das Nações está a acompanhar com toda a atenção, mas também com discrição pública e o sentido institucional devido, as diligências desenvolvidas pelas autoridades competentes, nomeadamente a CML-Câmara Municipal de Lisboa, a APA- Agência Portuguesa para o Ambiente, a CCDR de Lisboa e Vale do Tejo e a Inspeção Geral da Agricultura, do Mar, do Ambiente e do Ordenamento do Território, na certeza de que a ninguém mais importa tanto a saúde pública do que a nós, como responsáveis autárquicos.